segunda-feira, 25 de abril de 2011

Trair Faz Parte da Natureza das Pessoas que NÃO Conseguem Amar

Elas sabem muito bem como seduzir e gostam de se sentir amadas, mas só amam a si mesmas. Inconsequentes, não percebem que ao trair causam sofrimento. Algumas de suas vítimas ficam tão aturdidas que não se separam, mesmo sabendo que foram enganadas. Precisam de um tempo para desfazer a imagem ilusória que tinham do parceiro ou da parceira desleal.

       De repente veio aquela certeza: aquela pessoa que ela amava, com quem já estava há tantos anos, em quem confiava, com quem tinha ótimo sexo, que era carinhoso, confidente e tudo o mais a traia! Ela já desconfiava das viagens, telefonemas escondidos, presentes inesperados, novas ideias para o sexo. Mas não queria acreditar. Afinal, seria muita falta de caráter de uma pessoa que tinha a sua confiança e dedicação e de quem ela se orgulhava. Além de se sentir enganada, via desmoronar a imagem que tinha do companheiro.
       Trair é natural para algumas pessoas. Elas não percebem que com isso destroem amores verdadeiros e ferem quem não merece. Trair faz parte da natureza de algumas pessoas que não conseguem amar. Como o aventureiro Giacomo Casanova (1725-1798) ou o do Don Juan da literatura, elas seduzem vários ou várias, mas não são fiéis a ninguém. Amam somente a si, amam se sentir amadas e desejadas.
        A mulher a quem me referi acima sabia com quem estava lidando. No passado ele tinha tido várias mulheres ao mesmo tempo e isso era de seu conhecimento. Tratava todas com delicadeza, carinho, desejo. Tinha o poder de deixá-las apaixonadas. Comportamento que é típico dos traidores.
         Confirmada a infidelidade, veio o dilema. Como agir? Aramar um barraco, gritar, agredi-lo, chorar, expulsá-lo de casa? Ou fingir que não sabe, guardar para si a humilhação e a dor e apenas dar indiretas, fazer comentários velados? Ter uma conversa civilizada, dizer que o ama mesmo assim e que esquecerá tudo se ele decidir ficar com ela? Ou apenas terminar, sem nem falar por que, já que ele sabe muito bem a razão?
          Nenhuma dessas opções parece satisfatória. É como se ela estivesse numa estrada e de repente caíssem barreiras na frente e atrás do carro. Não dá para seguir nem para voltar. Se armar um barraco, vai perdê-lo para sempre; se fingir que não sabe, talvez somatize a negação, o sofrimento e fique doente, com insônia, enxaqueca ou algo pior. O ideal seria uma conversa verdadeira; mas ela sabe que ele vai negar, dizer que ela é louca por não ver que ele a ama, que tem tesão, que além dela é só o trabalho.
          O fato é que ela ainda o ama, embora não aguente ser tratada como burra. Sente uma dor imensa, não para de pensar nele com a outra. Sente culpa: será que isso aconteceu porque ela envelheceu ou se descuidou, será que já não é bonita, onde teria errado?
           Não é nada disso. Mulheres maravilhosas como Sandra Bullock (46) e Nicole Kidman (43) também foram traídas. Como dessemos antes, trair, para algumas pessoas, é uma compulsão.
           Se ela não consegue terminar a relação, talvez a solução menos dolorosa seja continuar nela mais um tempo - para ir, aos poucos, deixando que morra a imagem falsa que tinha desse homem; para se concientizar de que o homem que ela amava não era ele, mas um reflexo dela mesma. Assim, devagar, ela irá deixando de gostar dele e poderá se abrir para outros interesses, dedicar-se a si mesma, encarar,enfim, a realidade. Resta-lhe o consolo de saber que não é só com ela que isso acontece, e que tudo acaba um dia, como uma flor que murcha, uma nuvem que passa, uma onda no mar. E que o mais importante é manter sua integridade, seu compromisso com a vida e saber que ela, sim, nunca traiu, apenas amou de verdade.
*Texto de Leniza Castello Branco (psicóloga e analista paulista).

Bom, eu (Debs) li esse artigo enquanto me encontrava na sala de espera de um consultório odontológico. Esse texto realmente veio de encontro com muitas coisas que eu pensava sobre a traição e achei interessante compartilhar com vocês, meus leitores.
Espero que tenham curtido a reflexão e que a mesma tenha trazido respostas e/ou alento àquelas pessoas que estão atravessando uma situação dessas ou que já passaram por isso.

=)

Fonte: Revista Caras, Edição 908 - Ano 18 - nº 13 de 01/04/2011, coluna AMOR.

Um comentário:

  1. Debs irmã,

    você arrasou como sempre!
    Muito bom esse texto

    ;)

    ResponderExcluir

Poderá Também Gostar de

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...